Heading

Dia do Autor Português

Nada a declarar!?

22 de março de 2020
Mala e Guarda-Chuva
© Arquivo AMTC
Em tempos onde a circulação de pessoas é uma realidade estranhamente diferente, hoje relembramos uma peripécia passada num posto alfandegário de um agitado aeroporto, através de “Uma Água Escura” de José Eduardo Agualusa.

“Chovia quando o avião pousou em Lisboa. Abriram as portas, vieram as escadas e descemos debaixo de uma água escura. Enquanto recolhíamos as bagagens vi Cândido, apertado no seu casaco funesto, passar por nós em direcção à saída.
A placa dizia: “Nada a Declarar”. Nada tínhamos a declarar. O funcionário da alfândega, porém, olhou para mim, olhou para a minha amiga, abanou a cabeça com um ar de enfado, e fez-nos passar para a salinha ao lado. David Mosso Rabin também estava lá, ainda mais pálido, piscando os olhos espantados por detrás das lentes grossas. Parecia que o tinham acordado, aos safanões, naquele preciso instante. O polícia colocou a mala dele num pequeno estrado, apalpou-a, como um médico examinando um cadáver, e abriu-a. Vasculhou entre os livros, entre as pilhas de roupa, tirou uma pequena caixa de metal, desenroscou a tampa e eu vi (vimos todos) o pó, muito branco, brilhando angustiado na penumbra.

Valéria beliscou-me o ombro: “Ganhei!”. O polícia sorriu (a serpente a sorrir para o passarinho).

- E então, senhor David, você vai-me dizer o que é isto?

O jovem olhou-o com o cansaço dos vencidos.

- É o meu pai.

Mostrou um papel cheio de carimbos e assinaturas. Era realmente o pai dele, falecido em Petrópolis, incinerado em São Paulo, e que ao fim de cinquenta anos regressava a Lisboa.”

José Eduardo Agualusa in “Uma Água Escura” (“Fronteiras Perdidas” – Revista «Pública», 18.04.1999); excerto alvo de publicação na ALFÂNDEGA revista aduaneira nº 50, novembro 1999.
www.amtc.pt/metamorfose-de-um-lugar

Adicionar comentário

Scroll